CONVERSINHA: RTUR

SUPORTE WOR

por Ágatha Prado

Conversinha tem o intuito de trazer um papo reto, descontraído e bem humorado com os artistas da cena eletrônica, apresentando um pouco mais do lado pessoal de cada entrevistado.

Para o episódio de hoje, vamos conversamos com RTUR, o projeto do DJ e produtor catarinense Artur Agostini Lange, que deu seus primeiros passos na carreira durante a pandemia, e agora tem visto crescer os frutos de seu trabalho como produtor musical, inaugurando o catálogo da gravadora alemã Human Beyond.

Mesmo como um nome novo na cena, RTUR está com foco total em disseminar sua identidade musical pelo cenário nacional, e hoje ele conta um pouco pra gente como está sendo estas primeiras conquistas de carreira, além de seus sonhos, expectativas e rotinas que ele incorpora em seu dia a dia:

Artur, tudo bem? Conta pra gente de onde você está falando no momento dessa entrevista e o que você estava fazendo antes de responder as perguntas?

Oi, primeiramente obrigado pelo convite; por aqui está tudo ótimo! Estou no meu quarto e estava pesquisando músicas novas 🙂 Inclusive, tenho uma playlist que atualizo de tempos em tempos, sigam!

Você anda “entediado” com a pandemia? Como está seu humor nesses últimos meses longe das festas?

De uma forma geral eu me mantive mais ocupado na pandemia do que antes, isso por causa dos estudos e cursos que fiz, o que ajudou a não ficar tão entediado. Mas em relação a não poder mais ter ido pra festa, aí sim, sinto uma saudade muito grande e parece que quanto mais perto chegamos da retomada mais ansioso fico [risos].

O que você tem feito para se distrair quando não está no estúdio produzindo ou ensaiando alguns sets?

Gosto de dar uma caminhada na praia tomando um mate, assistir algum filme/série e treinar, o que me ajuda a manter a mente e corpo em dia, que considero de suma importância para uma boa evolução como artista e pessoa.

E o que você tem ouvido de música ultimamente, além da música eletrônica?

Os principais que mais ouço são Hip Hop/Rap/Trap, Rock/Blues, Indie/Folk, Singer/Songwriter, música clássica e MPB.

No mundo eletrônico, quais foram suas últimas três descobertas recentes que você já incluiu no seu case?

Certamente Dahu, Kadosh e Remcord. 

Você está dando seus primeiros passos como produtor musical. O que tem te dado “frio na barriga” nesses primeiros momentos de carreira?

Toda vez que termino uma música nova fico com esse frio na barriga pra saber se a galera e se alguns amigos com conhecimento técnico vão curtir… Também quando envio faixas demo para alguma label, aí o frio na barriga vem de novo [risos].

De onde você tem buscado inspiração para compor suas faixas?

Para mim a inspiração está diretamente ligada com nosso temperamento/humor e as fases da vida, pois nossa vida é uma junção de altos e baixos, momentos felizes e momentos tristes; mas tudo isso faz parte da nossa evolução como pessoa, e na música não é diferente, por isso tento sempre transmitir o que estou sentindo no momento da composição, assim sei que estou sendo totalmente fiel à mim e, por consequência, a música fica mais natural e autêntica. 

Recentemente você estreou na gravadora alemã Human Beyond, que também estava inaugurando seu primeiro trabalho. O que este primeiro lançamento significou para você?

Significou um marco muito importante na carreira. O passo inicial. Onde todos os estudos e dedicação até aqui começam a fazer sentido. Momento que todas aquelas frases que passam na cabeça como: “será que estou no caminho certo?”, “e se der tudo errado?”, “talvez eu devesse parar”; começam cada vez mais a perder força e vão deixando seu lugar para frases como: “sabia que não devia desistir”, “siga em frente Artur você vai conseguir muita coisa ainda”, “de pequenas vitórias à grandes conquistas”. 

Quais são as gravadoras dos sonhos que você busca lançar um dia?

Eu sempre sonhei, e sonho, alto, pois como dizia meu pai, “sonhar não custa nada meu filho” (obrigado pai), então desde pequeno sou assim e tenho certeza em dizer que isso me faz querer ir cada vez mais longe. Por isso sonho em lançar na Afterlife, Innervisions, Siamese, Diynamic, Impressum, entre muitas outras, claro 🙂

E as expectativas para a retomada dos eventos? Está animado para comandar as pistas?

Está altíssima, mal posso esperar por esse momento. Após mais de um ano de estudos, nada como começar a pôr em prática todo conhecimento. 

Como você vê seu projeto daqui uns três anos?

Acredito que vou começar a ser reconhecido por artistas maiores e pelo público, tendo suportes importantes e tocando regularmente.

https://www.instagram.com/p/CRZtMnOhZb8/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Next Post

VINTAGE CULTURE CONQUISTA FEITO INÉDITO AO EMPLACAR TOP 1 E TOP 2 NO RANKING DE MÚSICAS MAIS VENDIDAS DO MUNDO PELO BEATPORT

Imagem: @drakefilms Lukas Ruiz aka Vintage Culture é o primeiro brasileiro da história a conseguir uma dobradinha na maior plataforma de vendas de música eletrônica do mundo, o Beatport, com duas músicas entre as dez mais vendidas do site: o remix “Drinkee”, com John Summit e Sofi Tukker, ficou responsável […]